Página inicial‎ > ‎Artigos‎ > ‎

Maria Dias Ferreira


Maria Emília Dias Ferreira
 
Filha de Joaquim Dias Ferreira e de D. Maria da Conceição Nunes Ferreira, ambos naturais da freguesia de São Miguel de Ferreira do Zêzere D. Maria Dias Ferreira nasceu em Lisboa, na freguesia de São Nicolau, a 26 de Janeiro de 1873.

Baptizada com o nome de Maria Emília Dias Ferreira, repartiu de pequena o seu tempo entre a Lisboa do "pós cenáculo" e o recatado lugar do Castelo, nas imediações de Ferreira. Aqui passou, durante a infância e adolescência, agradáveis temporadas participando nos inúmeros passeios e piqueniques tão ao gosto de então.

Durante as temporadas em Ferreira despontou o romance com o médico Dr. Francisco Costa Félix, filho primogénito de Francisco Costa Félix e de sua mulher D. Maria Flor Heitor da Costa cujo desfecho matrimonial viria a ter lugar na Igreja de São Miguel de Ferreira do Zêzere a 8 de Abril de 1891, numa cerimónia muito concorrida.

Houve deste casamento 4 filhos contudo apenas uma sobreviva deu continuidade à família, a pequena Manuela que, de tenra idade, perdeu, no curto espaço de meia década, vítimas de doença, o pai e os seus três irmãos.

D.ª Maria Dias enviuvou pouco tempo depois do advento da república. Voltaria entretanto a casar com Júlio Eduardo da Silva, sem descendência. A falta de sorte não obstou a que no ano de 1913 concretizasse a sua grande obra e a maior aspiração dos Ferreirenses de então. A inauguração da grandiosa obra de beneficiação da Vila de Ferreira do Zêzere, o abastecimento público da água.

Tal acção mereceu-lhe o título, até hoje o único concedido pelo Município, de Benemérita de Ferreira do Zêzere. Ainda hoje subsiste na posse dos seus descendentes o documento em pergaminho que atesta esta justa homenagem.

Foi há 95 anos, também em Outubro que se deu a inauguração do Fontanário, num ambiente misto de alegria pela obra feita e de grande comoção e pesar pelo recente falecimento dos seus irmãos. Quis-se então que a Praça outrora designada por João Franco se chamasse D. Maria Dias, mas por intenção da benemérita e em homenagem a seus pais, passou a referida Praça a designar-se por Praça Dias Ferreira ficando o nome de seus pais lavrado na lápide que ainda hoje existe na base do fontenário.

Teria porventura bastado a obra de 1913 para que ficasse eternamente merecedora da gratidão desta Vila porém, a sua benemerência continuou a manifestar-se em ofertas como a que efectuou em 1914 para obras no Hospital de todos os Santos de Ferreira do Zêzere.

Muitas outras doações se lhe seguiram, e se a sua vida terminou a 26-07-1959, a sua obra permanece bem viva na memória dos que conhecem o que D. Maria Dias fez em homenagem aos seus pais e avós para que a terra deles, sua também por direito próprio progredisse, e incutindo na sua filha Manuela, netos e bisnetos o amor e carinho que sempre dedicou a Ferreira do Zêzere. Hoje, volvidos 95 anos sobre a proclamação da benemérita continuamos a vida e obra de D. Maria Dias Ferreira.