Página inicial‎ > ‎Artigos‎ > ‎

Fundação Maria Dias Ferreira - Publicação do Livro "Guilherme Soeiro: fragmentos de uma vida exemplar"


Fundação Maria Dias Ferreira - Publicação do Livro "Guilherme Soeiro: fragmentos de uma vida exemplar"


fmdf_livguilhermesoeiro2012.jpg
Com a publicação da obra “Guilherme Soeiro: fragmentos de uma vida exemplar”, a Fundação Maria Dias Ferreira pretende divulgar a ação e a benemerência de um dos mais destacados vultos da sociedade ferreirense do século XX.

Edil, pedagogo, farmacêutico, agricultor e dirigente associativo, Guilherme Félix de Faria Soeiro, filho de António Soeiro, fundador e proprietário da farmácia Soeiro em Ferreira do Zêzere, e de Palmira Félix de Faria Godinho, nasceu na freguesia de Ferreira do Zêzere a 3 de março de 1905 (onde faleceu a 23 de outubro de 1998).

O seu prestígio, dedicação e empreendedorismo fizeram com que ascendesse quase naturalmente ao cargo de Presidente da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere em 1949, cargo que desempenhou até 1961, tendo anteriormente desempenhado as funções de Administrador do Concelho e Vereador.

Dirigiu os destinos do concelho dando o seu melhor e foi com espírito de missão que assumiu os cargos a que foi chamado. Para lá da política, Guilherme Soeiro foi, anos sem conta, patrono de diversas Associações Concelhias, as quais fundou e/ou dirigiu deixando uma obra notável também neste capítulo. Foi cofundador da Casa do Povo de Ferreira do Zêzere, do Sport Clube de Ferreira do Zêzere (do qual era o sócio nº 2) e da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ferreira do Zêzere (associação à qual ofertou o terreno onde se encontra edificado o atual quartel desta corporação e da qual era sócio nº 1).

Foi igualmente fundador, patrocinador, diretor e docente do Colégio de Nossa Senhora do Pranto, na vila de Ferreira do Zêzere, escola que preparava e levava os estudantes a prestar os exames liceais.

Ao longo dos seus lúcidos 93 anos de existência e benemerência, obteve o reconhecimento de diversas instituições, merecendo maior destaque a distinção que lhe concedeu o Governo da República conferindo-lhe o Grau de Oficial da Ordem de Cristo a 13 de julho de 1961.