Página inicial‎ > ‎Artigos‎ > ‎

Fundação Maria Dias Ferreira - Projecto Salvaguarda 2009

 
Fundação Maria Dias Ferreira - Projecto Salvaguarda em 2009
 
 
 
Preservar e permitir às gerações vindouras um importante legado iconográfico e documental foi, desde a primeira hora, uma das prioridades desta Fundação.
Entre 2006 e 2009 digitalizaram-se cerca de 20 mil imagens que constituem aquele que é seguramente um dos maiores acervos digitais dedicados a uma autarquia no nosso país

Ainda que a Fundação Maria Dias Ferreira complete agora apenas um ano de existência, o Projecto Salvaguarda começou a ser desenvolvido há cerca de 4 anos com o patrocínio dos seus instituidores Maria Isabel e José Afonso de Sousa, a coordenação de Paulo Alcobia Neves e a colaboração dedicada de Cátia Salgueiro que, junto de diversas famílias e instituições Ferreirenses conseguiram a cedência por empréstimo e a digitalização de cerca de 14.000 imagens que contemplam fotografias, escrituras, publicações e outros documentos iconográficos que visam contribuir para a preservação da memória colectiva do Concelho de Ferreira do Zêzere.

Durante o presente ano o Projecto Salvaguarda procurou apostar mais na qualidade do que na quantidade. Assim, realizou uma melhor catalogação das imagens já obtidas, criando para esse efeito uma ficha descritiva associada a cada imagem, tendo ainda elaborado um Regulamento de Normas de Digitalização e Arquivo para este Projecto.
Por outro lado, continuou a ir em busca de espólios e imagens ligadas ao Concelho, dedicando particular atenção aos espólios relacionados com as demais iniciativas da Fundação. Assim, em 2009 foram digitalizadas cerca de 5.000 imagens, nomeadamente:
 

• o Arquivo Paroquial de Águas Belas, fundamental para a monografia de Águas Belas a ser lançada em 2010;

• o espólio da Sr.ª D. Ermelinda Nunes, que inclui algumas imagens de interesse para a referida obra e outras de interesse para o estudo das famílias Ferreirenses radicadas no Ultramar;

• a colecção da Dr.ª Maria Emília Baptista, das Casas Novas (ainda em fase de identificação de retratos), autora da obra que a Fundação Maria Dias Ferreira decidiu lançar nas comemorações do seu primeiro aniversário.
 

Foram também desenvolvidos contactos entre a Fundação Maria Dias Ferreira e a Direcção Geral de Arquivos/Torre do Tombo e o Arquivo Distrital de Santarém, com vista à digitalização de todos os livros de registos paroquiais à guarda destas últimas instituições.
Estes contactos culminarão na assinatura de um Protocolo entre estas instituições.
 
 
 
Artigos Relacionados