Página inicial‎ > ‎Artigos‎ > ‎

Capela de Santa Catarina nas Ovelheiras, Chãos

 
 
 
Ficha Técnica
 
 
Característica Arquitectura Religiosa

Classificação Capelas
 
Localização Chãos
 
Especialista Dr.ª Ana Torrejais
 
Morada Freguesia de Chãos, Lugar das Ovelheiras
 
 
Referência a_Chãos_22
 
Propriedade Bispado de Coimbra
 
Enquadramento A Capela de Santa Catarina encontra-se no centro do lugar das Ovelheiras, rodeada por casario e por duas estradas que lhe são contíguas.
 
Notícias Históricas O padre Carvalho da Costa, na sua Corografia Portugueza, refere-se à ermida de Santa Catarina.

Descrição Arquitectónica Edifício de planta longitudinal e nave única, que apresenta cobertura em telhado de duas águas, na junção das quais se ergue a cruz de Cristo. É a fachada principal constituída por uma porta rectangular, erguendo-se sobre o lado esquerdo da empena um pequeno campanário. Do lado direito do corpo central do templo, destaca-se o volume da sala de sacristia, que é iluminada por meio de uma pequena fresta.

Património Integrado Pelo interior, a capelinha é madeirada e de três planos, sendo o pavimento recoberto por mosaico cerâmico. Também neste templo não existe qualquer espaço reservado à capela-mor, mantendo-se apenas, na parede frontal, um pequeno nicho onde se encontra a imagem de madeira seiscentista de Santa Catarina (0.725m altura). Ladeando a padroeira, existem, sobre mísulas, duas imagens representativas de Nossa Senhora de Fátima (lado do Evangelho) e do Sagrado Coração de Jesus (lado da Epístola).
 
Estado de Conservação A capelinha de Santa Catarina goza de manutenção regular, pelo que, aparentemente, o estado de conservação do imóvel e do correspondente património integrado revela-se estabilizado. Não obstante, a imagem padroeira apresenta-se bastante repintada.
 
Grau 4 - Edifício reabilitado ou reconstruído.
 
 

Bibliografia
 
COSTA; Padre António Carvalho da; Corografia Portugueza (...); Tomo III; Lisboa; Oficina Real Deslandesiana; 1712; Fólios

SEQUEIRA; Gustavo de Matos (dirc.); Inventário Artístico de Portugal; Volume III: Distrito de Santarém; Lisboa; Academia Nacional de Belas Artes; 1949; Página 41